terça-feira, 14 de agosto de 2018

O Jejum da Dormição






O "Jejum da Dormição" foi estabelecido como precedendo as grandes festas da Transfiguração do Senhor e da Dormição da Mãe de Deus. Dura duas semanas - de 1 a 14 de agosto, no Calendário Patrístico , que corresponde ao período de 14/27 de agosto (Calendário Civil).

O Jejum da Dormição chega até nós desde os primeiros dias do Cristianismo.

Encontramos uma referência clara ao Jejum da Dormição em uma conversa de Leão Magno por volta do ano 450 dC:
“Os jejuns da Igreja estão situados no ano de tal modo que uma abstinência especial é prescrita para cada vez. Assim, para a primavera há o jejum da primavera] - os Quarenta Dias [Grande Quaresma; para o verão há o jejum de verão… [o jejum dos apóstolos]; para o outono há o jejum de outono, no sétimo mês [Jejum da Dormição]; para o inverno há o inverno rápido [presépio]”.
São Simeão de Tessalônica escreve que: 
“O jejum em agosto [Jejum da Dormição] foi estabelecido em honra da Mãe do Verbo de Deus; a qual, prevendo o Seu repouso, asceticamente trabalhou e jejuou por nós como sempre, embora, Ela fosse santa e imaculada, e não tivesse necessidade de jejuar. Assim, Ela orou especialmente por nós em preparação para sermos transportados desta vida para a vida futura, quando Sua alma abençoada seria unida através do Espírito Divino com Seu Filho. Portanto, devemos também jejuar e louvá-la, imitando sua vida, pedindo-lhe, assim, que ore por nós. Alguns, a propósito, dizem que esse jejum foi instituído por ocasião de duas festas - a Transfiguração e a Dormição. Também considero necessário recordar estas duas festas - uma que nos dá luz, e outra que é misericordiosa para nós e intercede por nós ”.
O jejum da Dormição não é tão rigoroso quanto o Grande Jejum, mas é mais estrito que os jejuns dos Apóstolos e da Natividade.

Na segunda-feira, quartas e sextas-feiras do Jejum da Dormição, as rubricas da Igreja prescrevem a xerofagia , isto é, um jejum mais estrito, onde nos alimentamos apenas de comida crua (sem óleo); às terças e quintas-feiras, “com comida cozida, mas sem óleo”; aos sábados e domingos, vinho e azeite são permitidos.

Até a festa da Transfiguração do Senhor, quando as uvas e as maçãs são abençoadas nas igrejas, a Igreja exige que nos abstenhamos desses frutos. De acordo com a tradição dos santos pais: 
"Se um dos irmãos comer as uvas antes da festa, então seja proibido, por amor à obediência, provar as uvas durante todo o mês de agosto".
Na festa da Transfiguração do Senhor, as rubricas da Igreja permitem o pescado. Após esse dia, às segundas, quartas e sextas-feiras, os frutos da nova safra sempre seriam incluídos nas refeições.

O jejum espiritual está intimamente unido ao corpo, assim como nossa alma se une ao corpo, penetra-o, anima-o e une-se a ele, como a alma e o corpo formam um ser humano vivo. Portanto, no jejum físico devemos ao mesmo tempo jejuar espiritualmente: 
“Irmãos, jejuemos no corpo, mas, também, jejuemos espiritualmente, cortando toda a união com a injustiça”, é o que a Santa Igreja nos ordena.
A principal coisa no jejum corporal é a restrição de alimentos abundantes, saborosos e doces; A principal coisa no jejum espiritual é a restrição de movimentos apaixonados e pecaminosos que satisfazem nossas inclinações a vícios sensuais. O primeiro é a renúncia dos alimentos mais nutritivos para o jejum, que é menos nutritivo; a segunda é a renúncia de nossos pecados favoritos para o exercício das virtudes que se opõem a eles.

A essência do jejum é expressa no seguinte hino da Igreja: 
“Se jejuardes da comida, ó minha alma, mas não são purificada das paixões, em vão nos consolamos na abstinência. Pois, se o jejum não trouxer correção, então será odioso para Deus como falso, e você será como os demônios malignos, que nunca comem ”.
O Grande Jejum e o jejum da Dormição são particularmente rigorosos no que diz respeito ao entretenimento - na Rússia Imperial, até mesmo a lei civil proibia os bailes de máscaras e shows públicos durante esses jejuns.


O Jejum da Dormição Começa na Festa da “Procissão da Vivificante Cruz do Senhor”.


No "Horologion" grego (um dos livros Litúrgicos da Igreja) de 1897, a origem desta festa é explicada:
“Por causa das doenças que ocorrem com muita freqüência durante agosto, o costume foi estabelecido em Constantinopla de fazer uma procissão a Preciosa Cruz do Senhor pelas estradas e ruas para santificar lugares e prevenir doença. Na véspera da festa, ela saia do Palácio do Tesouro Real e era colocada sobre a mesa sagrada da Grande Igreja (a Hagia Sophia, dedicada à Sagrada Sabedoria de Deus). Daquele dia até a Dormição da Puríssima Theotókos, Lityas (um ritual de orações previsto em certas circunstâncias) eram servidas por toda a cidade, e a Vivificante Cruz era, então, exposta ao povo para veneração. Esta era a procissão da Preciosa Cruz”.
Na Igreja Ortodoxa Russa, esta festa estava ligada com a lembrança do Batismo da Rússia em 988. A memória do dia do Batismo da Rússia foi preservada nas Cronologias do século XVI, que afirmam que “o Grande Príncipe Vladimir de Kiev e toda a Rus foram batizados em 1º de agosto.” Na "Discussão dos Ritos Ativos da Santa Igreja Católica e Apostólica sobre a Dormição", escrita em 1627 a pedido do Patriarca Filaret de Moscou e Toda a Rússia, a festa de 1º de agosto é descrita: 
“Durante a procissão no dia da Cruz Preciosa, há uma bênção das águas para a iluminação do povo, pelas cidades e aldeias”.
Neste dia, foi estabelecida uma festa ao Misericordiosíssimo Salvador Cristo Deus e da Virgem Pura, em homenagem à vitória do Grande Príncipe Andrei Bogolubsky sobre os búlgaros do Volga, e do Imperador grego Miguel sobre os sarracenos.

De acordo com a tradição da Igreja Ortodoxa, neste dia a Cruz é venerada (de acordo com as rubricas do Domingo da Veneração da Cruz durante a Grande Quaresma), e uma menor bênção das águas é servida. Juntamente com a bênção das águas, o novo mel também é abençoado. (É daí que vem o nome folclórico russo para a festa "Salvador do mel").


Fonte: Pravoslavie.ru/OrthoChristian.com

Nenhum comentário: