terça-feira, 14 de agosto de 2018

O Jejum da Dormição






O "Jejum da Dormição" foi estabelecido como precedendo as grandes festas da Transfiguração do Senhor e da Dormição da Mãe de Deus. Dura duas semanas - de 1 a 14 de agosto, no Calendário Patrístico , que corresponde ao período de 14/27 de agosto (Calendário Civil).

O Jejum da Dormição chega até nós desde os primeiros dias do Cristianismo.

Encontramos uma referência clara ao Jejum da Dormição em uma conversa de Leão Magno por volta do ano 450 dC:
“Os jejuns da Igreja estão situados no ano de tal modo que uma abstinência especial é prescrita para cada vez. Assim, para a primavera há o jejum da primavera] - os Quarenta Dias [Grande Quaresma; para o verão há o jejum de verão… [o jejum dos apóstolos]; para o outono há o jejum de outono, no sétimo mês [Jejum da Dormição]; para o inverno há o inverno rápido [presépio]”.
São Simeão de Tessalônica escreve que: 
“O jejum em agosto [Jejum da Dormição] foi estabelecido em honra da Mãe do Verbo de Deus; a qual, prevendo o Seu repouso, asceticamente trabalhou e jejuou por nós como sempre, embora, Ela fosse santa e imaculada, e não tivesse necessidade de jejuar. Assim, Ela orou especialmente por nós em preparação para sermos transportados desta vida para a vida futura, quando Sua alma abençoada seria unida através do Espírito Divino com Seu Filho. Portanto, devemos também jejuar e louvá-la, imitando sua vida, pedindo-lhe, assim, que ore por nós. Alguns, a propósito, dizem que esse jejum foi instituído por ocasião de duas festas - a Transfiguração e a Dormição. Também considero necessário recordar estas duas festas - uma que nos dá luz, e outra que é misericordiosa para nós e intercede por nós ”.
O jejum da Dormição não é tão rigoroso quanto o Grande Jejum, mas é mais estrito que os jejuns dos Apóstolos e da Natividade.

Na segunda-feira, quartas e sextas-feiras do Jejum da Dormição, as rubricas da Igreja prescrevem a xerofagia , isto é, um jejum mais estrito, onde nos alimentamos apenas de comida crua (sem óleo); às terças e quintas-feiras, “com comida cozida, mas sem óleo”; aos sábados e domingos, vinho e azeite são permitidos.

Até a festa da Transfiguração do Senhor, quando as uvas e as maçãs são abençoadas nas igrejas, a Igreja exige que nos abstenhamos desses frutos. De acordo com a tradição dos santos pais: 
"Se um dos irmãos comer as uvas antes da festa, então seja proibido, por amor à obediência, provar as uvas durante todo o mês de agosto".
Na festa da Transfiguração do Senhor, as rubricas da Igreja permitem o pescado. Após esse dia, às segundas, quartas e sextas-feiras, os frutos da nova safra sempre seriam incluídos nas refeições.

O jejum espiritual está intimamente unido ao corpo, assim como nossa alma se une ao corpo, penetra-o, anima-o e une-se a ele, como a alma e o corpo formam um ser humano vivo. Portanto, no jejum físico devemos ao mesmo tempo jejuar espiritualmente: 
“Irmãos, jejuemos no corpo, mas, também, jejuemos espiritualmente, cortando toda a união com a injustiça”, é o que a Santa Igreja nos ordena.
A principal coisa no jejum corporal é a restrição de alimentos abundantes, saborosos e doces; A principal coisa no jejum espiritual é a restrição de movimentos apaixonados e pecaminosos que satisfazem nossas inclinações a vícios sensuais. O primeiro é a renúncia dos alimentos mais nutritivos para o jejum, que é menos nutritivo; a segunda é a renúncia de nossos pecados favoritos para o exercício das virtudes que se opõem a eles.

A essência do jejum é expressa no seguinte hino da Igreja: 
“Se jejuardes da comida, ó minha alma, mas não são purificada das paixões, em vão nos consolamos na abstinência. Pois, se o jejum não trouxer correção, então será odioso para Deus como falso, e você será como os demônios malignos, que nunca comem ”.
O Grande Jejum e o jejum da Dormição são particularmente rigorosos no que diz respeito ao entretenimento - na Rússia Imperial, até mesmo a lei civil proibia os bailes de máscaras e shows públicos durante esses jejuns.


O Jejum da Dormição Começa na Festa da “Procissão da Vivificante Cruz do Senhor”.


No "Horologion" grego (um dos livros Litúrgicos da Igreja) de 1897, a origem desta festa é explicada:
“Por causa das doenças que ocorrem com muita freqüência durante agosto, o costume foi estabelecido em Constantinopla de fazer uma procissão a Preciosa Cruz do Senhor pelas estradas e ruas para santificar lugares e prevenir doença. Na véspera da festa, ela saia do Palácio do Tesouro Real e era colocada sobre a mesa sagrada da Grande Igreja (a Hagia Sophia, dedicada à Sagrada Sabedoria de Deus). Daquele dia até a Dormição da Puríssima Theotókos, Lityas (um ritual de orações previsto em certas circunstâncias) eram servidas por toda a cidade, e a Vivificante Cruz era, então, exposta ao povo para veneração. Esta era a procissão da Preciosa Cruz”.
Na Igreja Ortodoxa Russa, esta festa estava ligada com a lembrança do Batismo da Rússia em 988. A memória do dia do Batismo da Rússia foi preservada nas Cronologias do século XVI, que afirmam que “o Grande Príncipe Vladimir de Kiev e toda a Rus foram batizados em 1º de agosto.” Na "Discussão dos Ritos Ativos da Santa Igreja Católica e Apostólica sobre a Dormição", escrita em 1627 a pedido do Patriarca Filaret de Moscou e Toda a Rússia, a festa de 1º de agosto é descrita: 
“Durante a procissão no dia da Cruz Preciosa, há uma bênção das águas para a iluminação do povo, pelas cidades e aldeias”.
Neste dia, foi estabelecida uma festa ao Misericordiosíssimo Salvador Cristo Deus e da Virgem Pura, em homenagem à vitória do Grande Príncipe Andrei Bogolubsky sobre os búlgaros do Volga, e do Imperador grego Miguel sobre os sarracenos.

De acordo com a tradição da Igreja Ortodoxa, neste dia a Cruz é venerada (de acordo com as rubricas do Domingo da Veneração da Cruz durante a Grande Quaresma), e uma menor bênção das águas é servida. Juntamente com a bênção das águas, o novo mel também é abençoado. (É daí que vem o nome folclórico russo para a festa "Salvador do mel").


Fonte: Pravoslavie.ru/OrthoChristian.com

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Santo Antão, o Grande



ENSINAMENTOS DE SANTO ANTÃO, O GRANDE

A maior obra dos homens é esta: ser capaz de manter seus pecados diante de Deus e estar preparado para a tentação até o último suspiro.

"Quem não tiver sido tentado não poderá entrar no reino do céu. Se suprimires a tentação, ninguém se salvará". 
"Aquele que se senta em solicitude e quietude, escapou de três batalhas: ouvindo, falando e vendo. Mas mesmo assim ele tem uma constante guerra no seu próprio coração”. 
“O demônio teme a humildade, o bom trabalho e o jejum. Ele não consegue impedir a minha boca de falar contra ele. A ilusão do demônio logo desvanece, especialmente, se o homem se arma com o Sinal da Cruz. O demônio treme ao Sinal da Cruz do Nosso Senhor, porque Ele triunfou sobre ele e o desarmou”.

Segundo o Santo Antão, as tentações são manifestamente uma condição indispensável para se entrar no céu. É através das tentações que o homem obtém um faro do Deus verdadeiro. Sem tentação o homem estaria no perigo de apoderar-se de Deus e torna-Lo inofensivo e inócuo. Pela tentação, porém, o homem experimenta existencialmente a sua distância de Deus, sente a diferença entre o homem e Deus. O homem permanece em luta constante, enquanto Deus repousa em si mesmo. Deus é amor absoluto, enquanto o homem é continuamente tentado pelo maligno.

Se ouvirdes atentamente a minha voz e guardardes a minha aliança, sereis minha propriedade especial entre todos os povos, porque minha é a terra, e vós constituireis para mim um reino de sacerdotes e uma nação santa. Ex. 19,5-6.

Aproximai-vos de Cristo, pedra viva, eleita e estimada por Deus, também vós, como pedras vivas.

Vinde formar um templo espiritual para um sacerdócio santo, a fim de oferecer sacrifícios espirituais, agradáveis a Deus por Jesus Cristo.

Sois uma estirpe eleita, sacerdócio real, gente santa, povo trazido à salvação, para tornardes conhecidos os prodígios d’Aquele que vos chamou das trevas para a luz admirável. 1Pd. 2, 4-5

Caríssimos, não descuidemos de nossa salvação. Sabei que se alguém se entrega a Deus de todo o coração, Deus tem piedade dele e lhe concede o Espírito de conversão.

Sabemos que desde as origens do mundo, os que encontraram na Lei da Aliança o caminho do seu Criador, foram acompanhados por Sua bondade, Sua graça e Seu Espírito. Mas os homens, incapazes de exercerem sua inteligência segundo o estado da criação original, inteiramente privados de razão, sujeitaram-se à criatura em vez de servir ao Criador.

Eu vos suplico, irmãos, ficai tomados da maravilhosa economia da salvação.

Todo ser dotado de inteligência espiritual, aquele para quem veio o Senhor, deve tomar consciência de sua própria natureza, isto é, deve conhecer-se a si mesmo.

Seja-vos dado tomar bem consciência da graça que Ele vos deu. Não é a primeira vez que Deus visita as Suas criaturas. Ele as conduz desde as origens do mundo e, de geração em geração, mantém cada uma desperta pelos acontecimentos de Sua graça. Não negligenciemos, pois, chamar a Deus dia e noite. Fazei violência à ternura de Deus. Do céu Ele vos enviará Aquele cujo ensinamento vos permitirá conhecer o que é bom para vós.

Filhos, é certo que nossa enfermidade e nossa humilhação são dor para os santos e causa das lágrimas e gemidos que oferecem por nós diante do Criador do Universo.

Compreendei bem o que vos digo e declaro: Se cada um de vós não chega a odiar o que é da ordem dos bens terrestres e a isso não renunciar de todo coração, assim como a todas as atividades que daí dependem, se não chega a elevar as mãos e o coração ao Céu para o Pai de todos nós, não é para si a salvação. Mas se fazeis o que acabo de dizer, Deus vos enviará um fogo invisível, que consumirá vossas impurezas e devolverá vosso espírito à sua pureza original. O Espírito Santo habitará em vós, Jesus permanecerá junto de nós e poderemos adorar a Deus como é devido.

A todos os meus irmãos muito amados, a todos vós que vos preparais para vos aproximardes do Senhor, saúdo n’Ele, irmãos caríssimos, vossa natureza espiritual.

Que Deus abra os olhos de vosso coração para que percebais os múltiplos malefícios secretos, lançados todos os dias sobre nós no decorrer do tempo. Faço votos que Deus vos dê um coração clarividente e um espírito de discernimento a fim de vos apresentardes a Ele como uma vítima pura e sem mancha.

Persuadi-vos bem que vosso ingresso e vosso progresso na obra de Deus não são obra humana, mas intervenção do poder divino que não cessa de vos assistir.

Sede, pois, vigilantes, caros filhos, não permitais que vossos olhos durmam nem que vossas pálpebras dormitem, mas clamai dia e noite a vosso Criador para que vossos pensamentos se firmem no Cristo.

No Senhor eu vos suplico, caros filhos, deixai-vos penetrar bem pelo que vos escrevo. Voltai vossa alma para vosso Criador. Perguntai a vós mesmos o que seria possível retribuir ao Senhor por todas estas graças. É tão grande a Sua bondade que Ele quis que o próprio Sol se ponha a nosso serviço nesta habitação de trevas, assim como a Lua e as estrelas, para sustentar fisicamente um ser cuja fraqueza o condenaria a perecer. Não sofreram por nós os Patriarcas? Não nos dispensaram os sacerdotes os seus ensinamentos? Não combatiam por nós os juízes e reis? Não foram mortos por nós os profetas? Não sofreram os Apóstolos perseguição por nós? E não morreu por todos nós o Filho Bem-Amado? Agora é a nossa vez de nos dispormos a ir ao nosso Criador pelo caminho da pureza.

Meus caríssimos no Senhor, a vós que sois coerdeiros dos santos, rogo que desperteis em vosso coração o temor de Deus. Preparemo-nos, pois, santamente, e purifiquemos nosso espírito para sermos puros a receber o batismo de Jesus e a nos oferecermos como vítimas agradáveis a Deus. O Espírito Consolador, recebido no Batismo, nos conduzirá a nosso estado original.

Caros irmãos, chamados a partilhar da herança dos santos, agora estais próximos de todas as virtudes. Todas elas vos pertencem se não vos embaraçais na vida carnal, mas permaneceis transparentes diante de Deus. É a pessoas capazes de me compreender que escrevo, a pessoas em condições de se conhecerem a si mesmos. Quem se conhece, tem a obrigação de adorar a Deus como convém.

sábado, 11 de novembro de 2017

Meditação Para a Morte




“Lembra-Te de Mim, Senhor, e Perdoa a Este Réu”

«Cristo Rei, reparador de nossa salvação: dai-me, concede-me a graça de que à Tua vinda eu saia vivo do sepulcro, e que quando Tua Majestade se manifestar, me coloques à Tua destra.

Adoramos, Senhor, Tua cruz, na qual está depositada toda a nossa esperança de salvar-nos, porque será ela que dará aos nossos corpos a imortalidade e a claridade. Meus olhos esperam a Tua redenção, e meus ouvidos também esperam a palavra de Teu juízo Salvador. Não me deixes abandonado no sepulcro, porque Tu És a esperança dos mortos enterrados. A Adão sepultado lhe ressuscitará a voz do Filho de Deus e, como em outro tempo aos hebreus, o levará, não para a terra da promissão, mas conduzido ao céu, lhe revestirá de glória imortal.

Mas, enquanto não nos é concedido subir até ali, não cessam de ressoar em nossos ouvidos, como trovões, as vozes dos santos. Teus apóstolos gritam aos pecadores chamando-os à penitência, admoestando-lhes que trabalhem na consecução da verdadeira glória, pois a vida deste mundo é uma fábula.

Nossa ressurreição futura nos é anunciada pelos Profetas; pelos Apóstolos, o prêmio para a virtude, e o Evangelho do Senhor nos mostra o caminho pelo qual se vai ao reino. Que o mundo inteiro, os homens todos, caindo de joelhos, Te adorem, Senhor, e que toda a terra louve o Teu nome, Tu que És restaurador daqueles que jazem mortos e esperança derradeira de todos os mortais...

Não permitas, Senhor, que nossas culpas nos arrastem à perdição, pois És Tu mesmo Quem perdoa os pecados; não deixes órfãos a estes Teus pequeninos, nem aos anciãos os prives de toda proteção, nem os exponhas à ignomínia e à miséria. Por aquele Teu amor, Senhor, com que nos amaste, não nos abandones, e dai-nos o Teu auxílio para servir-Te todos os dias fervorosamente.

Meus dias voaram como um sonho, correram e se evaporaram meus anos; o peso dos meus delitos está mostrando o tremendo juízo da justiça divina e assusta-me tremendamente. Por isso, com grande amargura de minha alma, clamo com o profeta: 'Não entres em juízo com o Teu servo, pois diante de Ti não existe ninguém justo.'

Envergonha-Te de deixar-me desfeito no sepulcro, porque Tu És Deus de misericórdia; restituí-me a forma perdida de meu corpo, impelido pela compaixão, a fim de que, adquirindo nova beleza quando venhas, mereça entrar em Teu reino.

'Quando cresceram os meus pecados' – disse Adão – 'então se alterou a ordem de todas as coisas que me eram próprias. Os pecados me arrebataram a vida. Quem me libertará de tantas calamidades que me afligem? O grande mal que me tirou a vida foi o ter pecado no paraíso e desobedecido a Deus.'

Todos nós, os Teus filhos, entramos irremissivelmente pelo caminho que ele nos abriu pecando e, como ele, nos separamos da santidade de Deus. Senhor! Por isso todos temos que voltar prontamente para aquela mesma terra da qual fomos criados, terra sujeita a todas as calamidades.

Porém, lembra-Te de mim, Senhor, e perdoa a este réu. Sou obra de Tuas mãos: Tu me modelaste. Lembra-Te de Teu primeiro amor, que És misericordioso e mansíssimo. Chegará o dia em que chamarás os mortos à vida; peço-Te que então não me separes de Tua companhia. Ajude-me o Teu poder, que antes me deu o ser: Vede que sou joguete do diabo; peço-Te que reprimas sua sanha. Chamastes-nos aos Teus templos; não permitas que caiamos em poder de nosso inimigo carniceiro. Comido pela inveja, ele nos arrebatou aquela luz que lhe ofuscava, e despidos nos precipitou às trevas do inferno, de onde não se volta.

A morte maldita preside e está sentada às portas para impedir a saída, e até a própria esperança de sair dali, se alguma restar de fugir-se. Envia, Senhor, do céu ao Teu Amado, que rompa os ferrolhos do obscuro calabouço; visto que venceu ao nosso adversário, repara a desgraça que nos aflige.»

Santo Efrém, o Sírio, Diácono e Monge (séc. IV)